quinta-feira, 8 de julho de 2021

DA TRANSIÇÃO DIGITAL

 De acordo com uma resolução do Conselho de Ministros aprovada a 17 de Junho, ensino em regime presencial será a prioridade no próximo ano lectivo. O ensino em regime misto ou não presencial apenas se realizará com “carácter excepcional e temporário”.

Não me passando pela cabeça que pudesse ser de outra forma estranho a natureza da resolução.

De qualquer forma, uma das questões emergentes dos últimos tempos é a necessidade de utilização das ferramentas digitais de forma generalizada e integrada nos processos de ensino e aprendizagem.

A proclamada transição digital é também uma das bandeiras do Plano de Recuperação e Resiliência. Percebemos com clareza o impacto das desigualdades entre alunos e escolas em matéria de recursos de natureza digital e acesso eficaz à net.

Mesmo em modo presencial é fundamental que escolas, professores e alunos tenham acesso aos recursos necessários para promover literacia digital e a utilização das ferramentas imprescindíveis nas sociedades actuais.

Temos um pequeno e quase irreleante problema. Segundo o Expresso, falta 600 000 computadores nas escolas. Será um ligeiríssimo atraso no cumprimento de múltiplas promessas.

Nada de novo.

Sem comentários: