sábado, 27 de fevereiro de 2021

SIMPLIFICAR É PRECISO

 Tenho estado por aqui confinadamente dedicado à preparação de umas aulas sobre indisciplina em sala de aula, matéria que gosto muito de abordar talvez para expiar algum sentimento de culpa pelo currículo que, desculpem a imodéstia, consegui construir no básico e secundário. A indisciplina no superior, quando comecei, já era de outra natureza e por outras razões bem mais significativas, tal como as como as consequências.

Às tantas comecei a lembrar-me de como em múltiplos contactos e conversas com professores têm sido recorrentes as referências à burocracia que continua a inquinar o trabalho de toda a gente.

Já há algum tempo aqui escrevi como seria desejável que o trabalho a desenvolver, os conteúdos envolvidos, os dispositivos em utilização, a organização de tempos e rotinas, etc., tivessem como preocupação a simplificação, professores, alunos e famílias ganhariam. Esta simplificação deveria incluir a avaliação e registos. Seria positivo que, tanto quanto possível, se aliviasse a pressão “grelhadora” a que habitualmente escolas e professores estão sujeitos.

Não é por registar, muito, registar tudo, aliás, nunca se regista tudo pelo que não vale a pena insistir, que o trabalho melhora e o desperdício é grande.

Como é evidente, este apelo à simplificação não tem a ver com menos rigor, qualidade, intencionalidade educativa ou não proporcionar tempo de efectiva aprendizagem para todos. Antes pelo contrário, se conseguirmos simplificar processos e recursos, alunos, professores e famílias beneficiarão mais do esforço enorme que todos têm que realizar e estão a realizar.

Sempre que falo desta questão recordo-me do Mestre João dos Santos, quando dizia, cito de memória pelo privilégio de ainda o ter conhecido e ouvido, que em educação o difícil é trabalhar de forma simples, é mais fácil complicar, mas, obviamente, menos eficaz, menos produtivo e muito mais desgastante.

Talvez valesse a pena tentarmos esta via de mais simplificação. As circunstâncias já são suficientemente complicadas.

Sem comentários: