sábado, 1 de novembro de 2014

LER A TERRA E TER A ESTRADA NA PALMA DA MÃO

No fim da lida e como é costume eu e o Mestre Marrafa ficámos nas lérias apoiados, não no cajado, mas numa cerveja. Vai um tempo com calores que estão a fazer mal à azeitona e pode atrasar a “semeação”, disse o Mestre Marrafa que aproveitou para contar uma história.
Trabalhava no Monte da Pedreira que foi comprado por um “engenhero” novo. Quando se chegou à altura da “semeação” apareceu lá um “engenhero” velho que perguntou que quantidade de semente iam espalhar por hectare. O “engenhero” novo respondeu-lhe que nos livros dizia a quantidade. O “engenhero” velho disse-lhe para ele perguntar ao feitor velho que estava no monte há muitos anos e que deveria saber a quantidade acertada para a “semeação”. O velho explicou que embora se tenha estudar nos livros também é preciso perguntar a quem lê a terra, não são todas iguais.
O Mestre Marrafa ria-se a dizer que o patrão novo nunca mais convidou o “engenhero” velho para voltar ao monte, não gostou da lição.
Esta história sobre o conhecimento que advém da prática, fez-me lembrar um episódio que se passou comigo numa das primeiras viagens a Moçambique. Vinha de Chimoio para a Beira num jipe conduzido pelo Sr. Doba, um homem que com um calor bravo vestia um blusão “só para embelezar”.
Como reparou que eu gostava de tirar fotografias, postais chamava-lhe o Sr. Doba, começou a avisar-me com antecedência, “daqui a 5 km tem um sítio bom para um postal”, e assim era, mais um aviso, “a 6 km há um monte bonito para tirar um postal” e a viagem ia decorrendo. Passados alguns alertas, não resisti e comentei como ele conhecia bem a estrada. Olhou para mim com aquele sorriso enorme que o caracterizava e disse-me, mostrando as palmas das mãos, “A estrada está toda aqui”.
Claro, por vezes esquecemo-nos de como se pode ler a terra e ter a estrada na palma das mãos.

1 comentário:

Cesar Faria disse...

É sempre um prazer lê-lo. Obrigado pela partilha.