segunda-feira, 5 de outubro de 2015

DIA MUNDIAL DO PROFESSOR

De acordo com o calendário das consciências, o 5 de Outubro é também o Dia Mundial do Professor. Algumas notas.
Sem novidade, tenho para mim que miúdos e professores são os dois grupos em que assenta qualquer comunidade nas sociedades contemporâneas. Os miúdos porque são o futuro e os professores porque, naturalmente, o preparam, tudo passa pela escola e pela educação. Hoje em dia e em Portugal, este entendimento ainda me parece mais justificado porque, devido a ajustamentos na organização social e familiar e, é minha convicção, devido a políticas sociais a políticas educativas inadequadas, os miúdos passam tempo excessivo na escola, diminuindo a influência real das famílias no quotidiano dos miúdos o que sobrevaloriza o papel da escola através dos professores.
Raramente a profissão professor tem estado tanto em foco como nos últimos anos bem como a necessidade de defender a qualidade da escola pública sob ameaça significativa. Têm verificado múltiplas acções políticas que contribuíram para degradar a sua função, a sua imagem social e o clima e a qualidade do trabalho desenvolvido nas escolas
Opções políticas assumidas e em curso têm contribuído para uma atenção continuadamente dirigida para a educação e para os professores. Essa atenção advém de boas e más razões. Não cabe aqui um balanço, e entendo que, tal como os miúdos, os professores não têm sempre razão. No entanto, gostava de deixar algumas notas.
Em primeiro lugar importa desde logo sublinhar que ser professor no ensino básico e secundário por razões conhecidas e por vezes esquecidas, é hoje uma tarefa de extrema dificuldade e exigência que social e politicamente justifica o maior reconhecimento.  Pensemos no que é ser professor em algumas escolas que décadas de incompetência na gestão urbanística e consequente guetização social produziram.
Pensemos ainda na forma como milhares de professores cumprem a sua carreira, muitos deles sem a possibilidade de desenharem projectos de vida para si quando são os principais responsáveis por lançar projectos de vida para os miúdos com quem trabalham. Nos últimos anos milhares de professores, de bons professores e professores necessários, foram constrangidos à reforma e muitos ao desemprego por uma política de contabilidade inimiga da educação pública e da qualidade. Como exemplo extremo veja-se o caótico processo em curso de colocação de professores e as situações dramáticas que a incompetência e a arrogância do MEC produziram.
Pensemos em como os professores são injustiçados na apreciações de muita gente que no minuto a seguir a dizer uma ignorante barbaridade qualquer, vai numa espécie de exercício sadomasoquista entregar os filhos nas mãos daqueles que destrata, depreendendo-se assim que, ou quer mal aos filhos ou desconhece os professores e os seus problemas.
Pensemos como é imprescindível que a educação e os problemas dos professores não sejam objecto de luta política baixa e desrespeitadora dos interesses dos miúdos, mesmo por parte dos que se assumem como seus representantes.
Pensemos em como a forma como os miúdos, pequenos e maiores, vêem e se relacionam com os professores está directamente ligada à forma como os adultos os vêem e os discursos que fazem.
Pensemos finalmente nos professores que nos ajudaram a chegar ao que hoje cada um de nós é, aqueles que carregamos bem guardadinhos na memória, pelas coisas boas, mas também pelas más, tudo contribuiu para sermos o que somos.
A valorização social e profissional dos professores, em diferentes dimensões é uma ferramenta imprescindível a um sistema educativo com mais qualidade. Aliás, uma das características dos sistemas educativos melhor considerados é, justamente, a valorização dos professores.
Gostava ainda de deixar uma ideia do enorme João dos Santos, “O Professor João, foi meu professor porque foi meu amigo” e uma convicção pessoal que a idade cada vez mais cimenta, qualquer professor ou educador, tanto ou mais do que aquilo que sabe, ensina aquilo que é.
A prova é que de todos os professores que connosco se cruzaram os que mais nos marcaram positivamente foi sobretudo pelo que eram e menos pelo que nos ensinaram.

2 comentários:

Simone Moura disse...

Maravilhoso o que acabo de ler! Me traz uma esperança e (re)alimenta meu processo de retomada de minha identidade profissional, identidade esta, colocada a prova após experimentar por diversos sentidos da minha condição humana, a barbárie cometida contra os professores tratados a bomba, spray de pimenta, ataques de cachorros e cavalos numa praça que deveria ser do povo!
No entanto, um tempo depois, após experimentar uma greve longa e sofrida, estive em Lisboa para participar de um congresso e numa manhã após ter ouvido atentamente uma fala que me chamou atenção por questões teóricas, mas sobretudo, pela fala de um Professor que mostrava não somente o que sabia, mas o que era (é) e que se confirmou quando numa conversa rápida, dessas que estabelecemos nos corredores por ocasião desse encontros, me disse: "que ensinamos aquilo que somos, muito mais do que aquilo que sabemos" (desculpe professor mas falo do modo como senti, percebi). Esse dia, ficou marcado em minha memória e embora por vezes em minha volta ao Brasil quisesse reproduzir aos meus colegas e amigos de trabalho e de vida aquilo que havia me tocado, não consegui reproduzir em palavras; mas hoje, lendo essa homenagem crítica e amorosa ao Dia do Professor que aqui no Brasil comemoramos no dia 15 de outubro, a conversa rápida apresentou-se de maneira nítida, trazendo à tona o encontro, a fala, o sentido atribuído que nunca é um só, a lembrança dos professores que cruzaram minha vida e hoje, no exercício de minha docência, a grata satisfação de ser lembrada por alguns de meus alunos, não somente pelo que foi partilhado do pouco que sei, mas sobretudo, pelo que expressam do que sou.
Fica aqui meu agradecimento por esse momento raro de resgate de memórias afetivas. Gratidão!

Zé Morgado disse...

Olá Simone. Como é evidente não tem que agradecer o que quer que seja.