terça-feira, 19 de agosto de 2014

A INDOMESTICÁVEL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. Enésimo episódio

"Marido ateou fogo à mulher depois de anos a fio de violência doméstica"

"Avisaram Adélia para não abrir a porta ao ex-marido. Agora está entre a vida e a morte"

Para além da gravidade e frequência com que continuam a acontecer episódios gravíssimos de violência doméstica, é ainda inquietante o facto de que alguns realizados em Portugal evidenciam um elevado índice de violência presente nas relações amorosas entre gente mais nova mesmo quando mais qualificada. Muitos dos intervenientes remetem para um perturbador entendimento de normalidade o recurso a comportamentos que claramente configuram agressividade e abuso ou mesmo violência.
Importa ainda combater de forma mais eficaz o sentimento de impunidade instalado, as condenações são bastante menos que os casos reportados e comprovados, bem como alguma “resignação” ou “tolerância” das vítimas face à percepção de eventual vazio de alternativas à separação ou a uma falsa ideia de protecção dos filhos que as mantém num espaço de tortura e sofrimento
Nesta perspectiva, torna-se fundamental a existência de dispositivos de avaliação de risco e de apoio como instituições de acolhimento acessíveis para casos mais graves e, naturalmente, um sistema de justiça eficaz e célere. 

1 comentário:

maria madeira disse...

Se é muito grave episódios de violência doméstica em casais de mais idade, pior se torna quando já acontece na fase de namoro entre gente adolescente. Nem me atrevo a pensar no futuro destes adolescentes enquanto casados.

Uma triste realidade.