quarta-feira, 26 de abril de 2017

A HISTÓRIA DO ASTRONAUTA

Era uma vez um rapaz chamado Vítor. Era um “cabeça no ar”, ou melhor, um “cabeça na Lua”, como lhe chamava a Professora. Tinha uns oito anos e na escola tinha sempre um ar ausente, em viagem, mesmo, quando por decisão da Professora, já não se sentava perto da janela.
O Vítor parecia ter a estranha capacidade de mesmo com a cara encostada a uma parede aparentar um olhar como se estivesse a ver o mais interessante dos cenários. É claro que o aprender das coisas da escola não estava a correr muito bem o que preocupava a professora, que insistia em chamar a atenção do Vítor para as tarefas que deveria realizar.
Vítor, tens que estar concentrado, com atenção ao que tens para fazer. Precisas de aprender estas coisas para quando cresceres saberes muito. Se não aprendes agora que vais fazer quando fores grande, diz-me lá.
Vou ser astronauta Professora.
Astronauta Vítor? Porquê astronauta?
Porque eu gostava de viajar com a minha cabeça. A Professora está sempre a dizer que tenho a cabeça na Lua. Tenho a cabeça na Lua mas ela também vai a muitos lados sem ser à Lua. O problema é que vai sozinha, eu fico aqui. Eu gostava de ir com ela e quando eu for astronauta posso andar com a minha cabeça pelos sítios todos onde ela vai só. Vai ser fixe.
Está bem Vítor, mas olha, enquanto não fores astronauta faz esta ficha, pode ser?
Assim que chegar, Professora.

2 comentários:

Maria Cristina Gomes disse...

Um texto adorável. Vou levar para usar como tema de conversa com os meus astronautas. Um abraço grande. Cristina

Zé Morgado disse...

Divirtam-se. Abraço