domingo, 31 de janeiro de 2010

APOIOS EDUCATIVOS, DE NOVO

Há já algum tempo que aqui não abordava as questões dos apoios educativos a crianças com dificuldades. Hoje surgem na imprensa dois bons pretextos para voltar à questão.
O Público refere-se à falta de eficácia dos planos de recuperação e acompanhamento previstos na legislação para apoiar alunos em risco de retenção. Um primeiro dado fortemente significativo é o facto destes planos envolverem cerca de um terço da população escolar, 227 839 em 764 000. Por outro lado, a eficácia é baixa, cerca de um quarto dos alunos envolvidos acaba mesmo em situação de insucesso. Importa pois perceber as razões deste cenário. Professores ouvidos no trabalho do Público referem-se à burocracia envolvida, conteúdos e extensão dos programas, falta de recursos, etc. A Confap, através do eterno Albino Almeida, sublinha as dificuldades do envolvimento das famílias.
Quem conheça o contexto de funcionamento das nossas escolas percebe que dificilmente os resultados poderiam ser diferentes, independentemente do maior ou menor empenho dos docentes. Muitas vezes, por falta de recursos que permitam uma correcta avaliação da natureza das dificuldades os planos de recuperação são um elenco (uma grelha) de orientações como "estar atento", "fazer trabalhos de casa", "ser assíduo" etc. a que se acrescentam algumas orientações de "responsabilização da família" . Do ponto de vista pedagógico, mobilizam-se ideias como "diferenciação pedagógica" que, na prática por falta de formação e recursos, resultam em "mais do mesmo". Entendo que para além da mudança anunciada nos programas, a aposta no que respeita à "recuperação" deverá passar por uma correcta avaliação das dificuldades dos alunos permitindo assim que o apoio seja dirigido para essas dificuldades, o que torna necessária formação. Em sala de aula, a utilização de parcerias pedagógicas parece uma medida potencialmente eficaz. Deveria aligeirar-se a burocracia envolvida, com custos razoáveis de tempo, e, finalmente, criar dispositivos de regulação e avaliação dos planos que permitam a sua correcção e eficácia.
Também o DN de hoje se refere aos apoios a alunos com necessidades educativas especiais. Como sempre afirmámos, em resultado das incompetentes decisões de um delinquente ético, Valter Lemos, de 50 000 crianças apoiadas passámos, através da criminosa utilização do conceito de elegibilidade, para 34 000 o que corresponde a 2.85% do universo dos alunos. As orientações do Dr. Lemos, ainda não se conhece o pensamento da actual equipa sobre esta questão, iam no sentido de apoiar apenas 1,8% dos alunos pelo que será de esperar ainda menos alunos em apoio. Sabe-se que internacionalmente se aceita que existirão entre 8 e 12% de alunos com necessidades educativas especiais mas o Dr. Lemos entendeu que em Portugal, porque ele assim decretava, só teríamos cerca de 1,8%. O resultado que sempre denunciámos é este, milhares de crianças com necessidades e sem apoios.
Talvez não se recordem mas o Dr. Lemos afirmou um dia que não era coisa que o preocupasse. Nós demos por isso.
Agora aguardamos o que dirá a nova equipa do ME sobre esta realidade.

sábado, 30 de janeiro de 2010

A GRIPE A E O DÉFICE

Quando surgiram as primeiras informações sobre a Gripe A tive, como creio que qualquer cidadão minimamente atento, a preocupação de me informar sobre riscos e implicações. A campanha entretanto desenvolvida assumiu proporções nunca antes atingidas o que contribuía para nos convencermos que a ameaça era séria. Devo também dizer que também não me sentia muito convencido de tudo o que era dito face ao que ia acontecendo noutras paragens. Os números entretanto conhecidos e a evolução verificada vieram, felizmente, a demonstrar a benignidade do vírus e os seus efeitos ficaram muito aquém das previsões catastróficas que a pandemia “deveria” provocar. Recentemente, as dúvidas levantadas por elementos do Conselho da Europa vieram recolocar as reservas sobre toda a abordagem à questão da Gripe A. Ao que parece, também em Portugal se procede à renegociação da encomenda de vacinas e o fabricante não quer, obviamente, perder receita pelo que o eventual excedente pode ser trocado por outros produtos.
Numa outra área, soubemos que o Ministro das Finanças e o Governador do Banco de Portugal não estavam de todo à espera do défice atingido pelas contas públicas o que, mais uma vez, me deixa algo perplexo.
Se as autoridades competentes e os especialistas não conseguem prever de forma minimamente eficaz os desenvolvimentos em áreas que tutelam e de que são responsáveis, como poderá o cidadão comum confiar nas lideranças e acreditar nos seus discursos. Se não duvidarmos da sua competência, poderá então colocar-se a sua seriedade e a existência de outros interesses que nos escaparão. Ou talvez não.

Ó SENHOR

(Foto de Mico)

Ó Senhor. Ó Senhor.
Era para dizer … Era para dizer … Era para dizer …
Era para dizer que não se esqueça da gente. A gente precisa.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

MEDIATIZAÇÃO DA POBREZA

Não quero julgar intenções nem ferir susceptibilidades, mas confesso que fiquei embaraçado. Num jornal televisivo assisti a uma peça onde se anunciava que, dando cumprimento a uma antiga tradição, a Santa Casa da Misericórdia do Porto convidou cinco pobres da cidade para almoçar. Tudo bem, é simpático e de acordo com a missão. A peça ia mostrando, entretanto, dezenas de bem produzidas figuras, presumo daquilo a que se costuma chamar sociedade civil, que, certamente no mesmo espírito de solidariedade, vieram fazer companhia aos pobrezinhos que foram convidados para almoçar e que mal parece comerem sós.
Mais emocionado fiquei quando um dos pobrezinhos, bem vestido para a ocasião e ouvido para a reportagem, agradeceu o convite e falou dos seus colegas, creio que ele falava dos seus colegas pobrezinhos e não dos seus colegas de mesa.
Talvez a forma como a peça foi produzida e apresentada possa gerar equívocos mas creio que um pouco de pudor e dignidade evitariam um espectáculo de mediatização da pobreza que me incomodou.
Deve ser um problema de hipersensibilidade a merecer tratamento.

O VÉU

Nos últimos tempos desencadeou-se um grande alarido sobre a utilização do véu. Algumas vozes acham bem que se proíba enquanto outras, naturalmente, estão a favor da utilização do véu. Tenho sempre alguma prudência quando se trata de legislar valores e direitos individuais mas também me parece que andaríamos melhor se não se utilizasse tanto o véu pelo que veria com simpatia a abolição do seu uso.
As lideranças políticas deveriam ser impedidas de usar o véu com que vêem a realidade, descrevendo-a de uma forma que o cidadão comum não a encontra no dia a dia. Também não poderiam usar o véu populista com que vendem promessas que sabem não poder cumprir. É claro que não se serviriam do véu para mascarar comportamentos e decisões lesivas do bem comum.
Também nós cidadãos comuns abandonaríamos o véu com que olhamos para muitas pessoas à nossa volta e que nos impede de perceber o quanto sofrem para viver decentemente. Sem o véu ficaria bem mais nítida a situação de miúdos e velhos, grupos sempre mais vulneráveis, e seríamos obrigados a ver mesmo.
A comunidade teria certamente um ambiente mais saudável sem o véu que torna a impunidade uma regra e não a excepção.
Sem o véu do preconceito seríamos pessoas mais parecidas, mais nítidas, mais focadas.
Nesta perspectiva, parece-me claro que a abolição do uso do véu é mesmo uma ideia que justifica reflexão.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

A TELEVISÃO NÃO É PARA TODOS

Embora esteja definido a partir da Lei de Televisão um plano que permita a acessibilidade gradual das pessoas com deficiência aos conteúdos televisivos das estações que emitem em canal aberto, RTP, SIC e TVI, e a entidade reguladora tenha estabelecido o cumprimento desse plano, a SIC e TVI impugnaram-no e a RTP cumpre residualmente. A Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação entende que este não cumprimento constitui uma violação grosseira dos direitos das pessoas.
Muitas vezes nos temos referido aqui no Atenta Inquietude à forma como em múltiplas circunstâncias as pessoas com deficiência enfrentam situações de discriminação negativa atentatória dos seus direitos. Muitos de nós acharão certamente que existirão aspectos muito mais graves e preocupantes para todos que o facto de uma minoria não aceder à programação televisiva genérica sendo, portanto, possível, defenderão, estabelecer uma hierarquia de prioridades. O problema é que na condição de minoria nunca os problemas envolvidos serão uma prioridade para a maioria. A atenção aos problemas das minorias não pode decorrer da definição de prioridades mas do cumprimento de direitos.
Como sempre digo, o nível de desenvolvimento das comunidades também se afere pela forma como as minorias são tratadas.

A HISTÓRIA DO BICHO-DA-SEDA

Existem invariantes que preenchem o calendário anual de muitos miúdos. Um desses invariantes é a época do bicho-da-seda. Já era assim no meu tempo de gaiato e ainda hoje vejo, na altura certa, muitas pessoas, sós ou com os miúdos, de volta de umas amoreiras que existem, vamos ver até quando, na minha zona apanhando as folhas para alimentar os bichos-da-seda. Eu e os meus amigos, tal como o meu filho e os miúdos de hoje tínhamos os bichinhos em caixas de papelão, não faltávamos com as folhas de amoreira que os faziam crescer, transformar em casulos e depois, com as caixas tapadas, esperava-se o fim do ciclo, as borboletas que punham uma imensidade de ovos que, de novo, traziam os bichos-da-seda.
Lembrei-me deste quadro porque acho que alguns miúdos parecem seguir eles próprios o ciclo do bicho-da-seda. Pequeninos, desenvolvem-se do que os adultos vão providenciando, pão e afecto, e mais crescidos começam a construir casulos. Alguns conseguem não ficar dentro e continuam, mas outros ficam mesmo aprisionados nesses casulos opacos e quase inacessíveis.
Só que destes casulos não emergem borboletas. Emergem pessoas infelizes, amargas, à procura de si e de um lugar que nem sempre encontram.
Vamos lá cuidar bem de todos os bichos-da-seda que andam à nossa beira.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

AS BOAS E AS MÁS NOTÍCIAS

Comecemos pelas boas notícias. No Orçamento de Estado para 2010 está prevista a entrada em funcionamento de 180 novas creches e pretende-se que até 2013 se instalem cerca de 600 o que permitirá atingir a meta de uma taxa de cobertura de 33%, considerada ajustada em termos europeus sendo actualmente de 18% a taxa de cobertura. De salientar também o aumento da dotação orçamental para a educação pré-escolar.
Do meu ponto de vista, o aumento da capacidade de resposta ao nível da creche e educação pré-escolar e também da acessibilidade das famílias em termos de custo e horários a estas respostas, são um bom contributo para o combate ao chamado inverno demográfico, a baixa natalidade preocupante verificada no nosso país. É sabido que a falta de instituições que recebam bebés e crianças pequenas, bem como as respectivas condições de acessibilidade são um obstáculo para muitas famílias. Assim sendo, esta opção parece algo no sentido certo no que respeita política de família.
Agora as más notícias. Talvez não seja uma situação muito grave pelos valores que envolve, mas entendo-a como um retrato do que de mau hoje temos em Portugal, abuso de poder e impunidade. Segundo o I e confirmado oficialmente, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras marcou mesa para um almoço de funcionários num conhecido restaurante. Após a refeição, substantiva que as autoridades carecem de alimento, como dizem os miúdos, os senhores agentes de autoridade "baldaram-se". O proprietário não se intimidou e exigiu junto do SEF o pagamento devido. A resposta veio com uma exigência burocrática bizarra e também com a exigência de demonstração da situação tributária do estabelecimento ou da autorização para que fosse consultada pelo SEF. Ao que parece proprietário continuou sem se assustar e divulgou a situação. Quando contactado pelo I o SEF procedeu à liquidação a dívida, Portugal no seu melhor.
Esta gentinha pequena que detém, pensam, algum poder não entende, e não é por burrice, os estragos à cidadania que comportamentos delinquentes como estes implicam. Certamente não saberemos, mas aposto que nada acontecerá aos senhores envolvidos.

AOS PAPÉIS

Um dia destes alguém contava que o grupo completamente amador onde faz teatro por gosto e entretenimento se encontrava envolvido numa acesa discussão porque alguns elementos não estariam satisfeitos com a distribuição de papéis realizada pelo encenador. Achavam que os papéis atribuídos não eram importantes, eram secundários, com poucas deixas, ou sejam, apareciam pouco. Não será de estranhar a situação, de uma forma geral todos gostamos de desempenhar papéis importantes, até mesmo os principais. Como é natural há sempre muita gente que não fica satisfeita com o papel que lhe cabe. Tudo isto é normal nas diferentes encenações.
No entanto, para além da distribuição dos papéis com intervenção e sabemos que nem sempre os critérios têm a ver com a qualidade dos actores, há uma imensidão de gente que não passa de figurantes e outra imensidão ainda que nem sequer entra nas peças, são os excluídos, não passam em nenhum casting.
A esmagadora maioria destas pessoas já nem consegue ter voz para protestar com os papéis.
Talvez vá chegando o tempo de aqueles que têm alguma capacidade de influenciar a distribuição de papéis entenderem que toda a gente precisa de um papel, uma voz e um corpo, não tem de ser a glória, trata-se apenas de participar, existir.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

PELA NOSSA SAÚDE

Um estudo hoje divulgado pela DECO sobre a acessibilidade dos portugueses aos serviços de saúde revela alguns dados inquietantes.
Em primeiro lugar, seis em cada dez famílias exprimem dificuldades em suportar as despesas com a saúde. Destas, quase metade adiaram o início de terapias e cerca de 40% nem pondera iniciá-las por questões económicas. Cerca de 20% contraíram créditos para este efeito, a maioria no último ano.
Sabemos também que contamos com cerca de 18% de pessoas em situação de risco de pobreza, sendo que entre a população idosa o número é maior, 22%.
Este cenário evidencia as dificuldades enormes que milhões de portugueses sentem no que respeita ao acesso a um direito, o direito a cuidados básicos de saúde. Esta situação é hoje reconhecida pela Ministra Ana Jorge.
Quando se pensa nesta situação e na dimensão social do estado exercida através das políticas sociais que muitos querem ver reduzidas, fica evidente como um Serviço Nacional de Saúde eficaz e verdadeiramente UNIVERSAL é imprescindível. Não vão fáceis os tempos para a preocupação com o outro, neste caso com a saúde do outro, Obama que o diga face às dificuldades que tem experimentado no alargamento do acesso à saúde algo de que milhões de americanos têm estado arredados.
Mas é também por questões desta natureza que se afere o grau de desenvolvimento das sociedades. Estou a falar de ética e valores e não, fundamentalmente, de PIB.

AS CONTAS ERRADAS

Um dia destes ouvia um gaiato do 1º ciclo a queixar-se que de vez em quando não acertava nas contas, a professora chateava-se e ele ficava aborrecido. Fiquei a pensar na preocupação do gaiato com as contas certas.
Pensando bem, as contas que envolvem os miúdos dão muitas vezes, demasiadas vezes, resultados errados. Algumas vezes basta ver, como se diz na escola, as contas armadas para perceber que não vão dar certas, o resultado vai ser completamente desastrado.
Curiosamente acho que nós adultos erramos mais as contas que os miúdos apesar de na nossa idade já podermos recorrer às calculadoras. Nem assim.
Não sei se esta propensão para falharmos as contas se deverá a um trabalho menos competente dos nossos professores mas creio que as razões serão outras. Creio até que quando estávamos na escola acertávamos mais do que em adultos.
Vejam como os analistas e economistas falharam redondamente nas contas com o resultado trágico que está à vista. Reparem como tanta gente se vê com as contas completamente furadas e com a vida do avesso. Também podemos lembrar a quantidade de erros que as lideranças políticas evidenciam nos seus cálculos porque cálculos fazem, e muitos.
O mais curioso disto tudo é que o gaiato parecia-me mais preocupado com o facto de errar nas contas que fazia na escola do que os adultos que também erram.
Provavelmente quando crescer deixa de se incomodar. Ou talvez não, espero.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

"UM REI FRACO FAZ FRACA A FORTE GENTE", CAMÕES

O sistema educativo português na sua errática mudança avançou no âmbito da chamada autonomia. Hoje em dia, as escolas, os agrupamentos, podem decidir sobre um conjunto de matérias fundamentais ao bom andamento do seu trabalho e à qualidade do mesmo. Muito ainda muito está por fazer em matéria de autonomia e, portanto, importa avaliar o caminho percorrido e a melhor forma de prosseguir.
O nível de autonomia apesar de tudo conseguido e o actual modelo de gestão com a introdução, controversa face à tradição, da figura director veio acentuar o papel que a liderança desempenha. Não é nada de novo, em todos os domínios os estudos evidenciam o impacto que a qualidade das lideranças tem no desempenho qualitativo das instituições. No que respeita ao universo da educação sabe-se que lideranças de qualidade estão associadas a escolas com melhor clima de funcionamento, com menos absentismo docente e discente, com melhores resultados escolares e menos problemas de natureza disciplinar, com maiores níveis de cooperação entre profissionais, com melhor envolvimento com outras parceiros das comunidade, etc., só para citar alguns dos aspectos de maior relevância na vida das escolas e na qualidade da educação.
No entanto, existe sempre um mas, são conhecidas situações em que a definição e eleição para a função director de escola ou agrupamento foram permeáveis a outros critérios que não mérito e competência, o que também não se estranhando face ao cenário português, não deixa de inquietar.
Relembremos Camões que, sem estudos na área da liderança e gestão de recursos humanos, afirmava que um fraco rei faz fraca a forte gente.

É TALVEZ O MELHOR

No fim da semana que passou, a lida levou-me uma vez mais a Silves. Algum tempo e a vontade de pôr as pernas a mexer levaram-me a um passeio pela cidade, bonita, como sabem. No meio da deambulação passei por um restaurante que, para além da exposição de vários quadros com a indicação, aliás habitual, de pratos e preços, tinha um outro em posição de destaque apenas com uma frase, "É talvez o melhor bife", assim, sem mais, nem o preço.
Deixou-me a pensar, esta eventual prudência e cautela traduzidas no "talvez". Creio que muitíssimos restaurantes publicitarão que têm o melhor bife das redondezas mas porque haveria alguém de dizer a eventuais clientes que terá o que "talvez" seja o melhor.
Haverá certamente quem defenda que é necessária assertividade que promova a decisão. Por outro lado, acho bonita a ideia de alguém de apurado sentido ético e de humildade que embora entenda ter o melhor bife da cidade, acha que não lhe fica bem afirmá-lo e opta por um cuidadoso e discreto, "é talvez o melhor bife".
Estando mergulhados num mundo em que constantemente somos bombardeados até à exaustão com mensagens publicitárias agressivas e intrusivas, acho que merece registo a atitude de um "vendedor" que, quase pedindo desculpa, nos sugere a possibilidade de provarmos o que será, talvez, o melhor bife de Silves.
Na próxima ida lá estarei.

domingo, 24 de janeiro de 2010

PARA SER É PRECISO TER, MESMO A DEVER

Um dos mais preocupantes sinais dos tempos é a quantidade de famílias em situação de sobreendividamento e o nível altíssimo da dívida face aos orçamentos familiares.
De acordo com a DECO, as famílias em dificuldade que a si recorrem evidenciam frequentemente uma taxa de esforço cerca dos 90%, ou seja, ao receberem 1000 €, 900 estão destinados ao pagamento de créditos. Como é óbvio, trata-se duma situação insustentável e mesmo com taxas de esforço mais baixas basta uma pequena perturbação ou algo de imprevisto para que se rompa o equilíbrio e as famílias entrem em incumprimento, com as previsíveis consequências. A DECO recomenda 40 % como a taxa de esforço aceitável e prudente.
Parece-me claro que este cenário não decorre, como muitas vezes ouvimos, da situação de crise económica que atravessamos. Radica, do meu ponto de vista, nos modelos económicos e sistema de valores que nos envolvem.
Como já tenho referido no Atenta Inquietude, instalou-se a ideia de que "és o que tens". Bem podemos afirmar que cada um de nós não olha assim para a vida mas na verdade é difícil resistir à pressão para o consumo e para a ostentação de alguns bens o estilos de vida que "atestem" como "somos" gente. Também é verdade que muitos dos mais pequenos, "vá lá saber-se porquê", já assim funcionam, querem "aqueles" ténis, porque "são os que todos os colegas têm". É certo que se ouvem discursos como o do Daniel, 12 anos, que na sexta feira em Silves me dizia que isto "é um bocado estúpido, porque dois meses depois querem comprar outros e os ténis ainda estão novos", mas o Daniel também tem as consolas, o telemóvel e os jogos que todos têm.
Por outro lado, as instituições financeiras que concedem crédito são bastante mais atentas aos seus próprios interesses que aos das pessoas que a elas recorrem. Assim, taxas e spreads são pouco "simpáticas" e a preocupação sobre o que as pessoas devem e o seu orçamento é, entendem, do "cliente" não da instituição.
Este tipo de problemas é apenas mais um indicador de como se torna necessário repensar valores e modelos de organização e desenvolvimento. Eu sei que não é fácil e pode parecer ingénuo, mas se não falarmos e não nos inquietarmos com isto, então é que nada mudará. Nunca.

sábado, 23 de janeiro de 2010

IRRESPONSABILIDADE E DESPERDÍCIO

Ontem, a propósito do pedido do Presidente do Conselho de Prevenção da Corrupção, Guilherme d’ Oliveira Martins, para que os deputados fizessem leis claras e fáceis, entendi o pedido como ingénuo ou vindo de alguém que não conhece o país. Por coincidência, o Expresso divulga hoje o que custam ao país as leis mal feitas. Uma técnica da Presidência do Conselho de Ministros estima em 7,5 mil milhões de € embora um especialista da Universidade do Illinois entenda que o montante está subavaliado. Os problemas com a produção legislativa são de natureza diferenciada e uma das causas apontadas remete para o facto de parte substantiva dessa produção decorrer fora da Assembleia da República, no interior dos grandes escritórios de advogados que, posteriormente, são os principais beneficiados da má qualidade das leis que eles próprios produzem.
Continuo a entender que não existe manifestamente vontade política de combater este cenário. Para além das implicações económicas agora apreciadas, parecem-me bem mais importantes, mas não quantificáveis, as consequências na confiança dos cidadãos no sistema de justiça e nas instituições.
De facto, más leis são um mau serviço à cidadania e, para não variar, ninguém será responsabilizado por tanta incompetência e desperdício.

UM DIA


 (Foto de Mico)

Um dia … Um dia … Um dia, também vou saber ler. Vou mesmo. Mas quem me vai ensinar? A minha professora diz que eu não sou capaz. Mas eu sou, sou mesmo. Preciso que me ensinem.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

INGÉNUO OU EMIGRANTE

O presidente do Conselho de Prevenção da Corrupção, Guilherme d' Oliveira Martins, em declarações na Comissão Parlamentar para o combate à corrupção onde fez o balanço dos Planos de Gestão de Risco do Risco de Corrupção, reparem na organização, pediu aos deputados para que produzam "leis claras e fáceis". O Dr. d' Oliveira Martins ou é ingénuo ou não vive em Portugal.
Se assim não fosse, saberia que a produção legislativa em Portugal, certamente sem intenção, é produzida com alçapões e uma arquitectura complexa que exigem fortíssimas competências técnico-jurídicas para a sua interpretação que pode, aliás, sempre ser de natureza diferenciada. Muitas dessas leis são, é sabido, produzidas com o recurso aos grandes escritórios de advogados que, após a aprovação dessas leis, são contratados por diferentes partes para usarem e interpretarem os alçapões e a tal arquitectura complexa conforme os interesses que circunstancialmente estão a servir.
Acho bem, naturalmente, que o Presidente do Conselho de Prevenção da Corrupção peça aos deputados da Comissão Parlamentar para combate à corrupção que produzam leis claras e simples. O que eu não acho é que se queira, de facto, combater a corrupção, a grande corrupção, não a corrupção do "pilha-galinhas".

HISTÓRIA DO VENDEDOR

Era uma vez um homem chamado Vendedor, era o Vendedor mais bem sucedido naquela terra. Por onde quer que aparecesse, a qualquer dia ou hora e em qualquer lugar, mal o Vendedor surgia logo as gentes começavam a aparecer, como que adivinhando a sua presença, o Vendedor nem se fazia anunciar.
Ordeiramente as pessoas faziam uma fila, esperavam a sua vez e partiam sempre de ar satisfeito com a compra que tinham realizado. Era curioso que apareciam pessoas de todas as idades, de todas as profissões e de todas as condições, para todas as motivações e necessidades o Vendedor parecia encontrar algo de adequado.
O Vendedor não parecia ter problemas de abastecimento pois nunca deixou uma pessoa por atender.
Outra característica que este Vendedor parecia ter é que os seus produtos não eram muito caros, como se disse, havia para todas as bolsas.
De tal maneira o Vendedor começou a ser importante para a gente daquela terra, que não admitiam sequer que ele pudesse não aparecer para vender o seu produto.
Com o tempo tinham-se tornado praticamente dependentes das compras ao Vendedor que, naturalmente, ficava bem contente.
Assim sendo aquela terra e aquela gente, o Vendedor continuou a vender promessas por muitos e bons anos. As pessoas gostam de promessas, compram sempre.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

OS PROFESSORES, ESSA "MALANDRAGEM" INDISPENSÁVEL AOS NOSSOS FILHOS

Depois da aparente acalmia posterior ao acordo entre ME e representantes dos professores surge a discussão sobre os horários e o conteúdo do trabalho dos professores. Esta discussão suscita reacções no mínimo curiosas, basta atentar na maioria dos comentários on-line sobre estas matérias. Os conteúdos desses comentários oscilam entre a ignorância e a boçalidade, entre o insulto à inteligência e a desregulação dos valores. Neste contexto e correndo o risco de desencadear novos comentários, aqui fica um excerto de um texto que em tempos publiquei no Atenta Inquietude e que volto a considera oportuno.
Pensemos então na importância essencial e na responsabilidade que o trabalho dos professores assume na construção do futuro. Tudo passa pela escola e pela educação.
Pensemos no que é ser professor hoje, em algumas escolas que décadas de incompetência na gestão urbanística e consequente guetização social produziram.
Pensemos em como os valores, padrões e estilos e vida das famílias se alteraram fazendo derivar para a escola, para os professores, parte do papel que compete à família.
Pensemos na forma como milhares de professores cumprem a sua carreira de poiso, em poiso, sem poiso e sem condições. E não nos esqueçamos também da imprescindível necessidade de que o seu trabalho seja avaliado.
Pensemos nos professores que nos ajudaram a chegar ao que hoje cada um de nós é, aqueles que carregamos bem guardadinhos na memória, pelas coisas boas, mas também pelas más, tudo contribuiu para sermos o que somos.
Pensemos em como os professores são injustiçados na apreciações de muita gente que no minuto a seguir a dizer uma ignorante barbaridade qualquer, vai numa espécie de exercício sadomasoquista entregar os filhos nas mãos daqueles que destrata, depreendendo-se assim que, ou quer mal aos filhos ou desconhece os professores e os seus problemas.
Pensemos como é imprescindível que a educação e os problemas dos professores não sejam objecto de luta política baixa e desrespeitadora dos interesses dos miúdos, mesmo por parte dos que se assumem como seus representantes.
Pensemos em como a forma como os miúdos, pequenos e maiores, vêem e se relacionam com os professores está directamente ligada à forma como os adultos os vêm e os discursos que fazem.
Pensemos, finalmente, como ser professor deve ser uma das funções mais bonitas do mundo, ver e ajudar os miúdos a ser gente.

NA LINHA

Quando era miúdo o meu pai e os outros pais usavam muito a expressão “andar na linha”. Nós percebíamos, com maior ou menor dificuldade qual era a linha e de uma forma geral seguíamos essa linha. É certo que nem todos o fazíamos com o mesmo rigor e empenho, ainda bem digo eu agora que o meu pai já não me ouve. Muitas vezes era uma linha dura e difícil de seguir, outros tempos.
Hoje raramente se ouve a expressão, não sei se se trata de uma questão de passagem de moda do termo ou se de uma questão de linha. Inclino-me para a segunda hipótese, embora o termo também possa ser actualizado. Na verdade, creio que perdemos um pouco a noção de linha, de rumo. Existem muitos pais que revelam a maior das dificuldades em estabelecer uma linha, um rumo, e orientar os miúdos mediante essa linha, esse rumo. Sinto, aliás, que, com frequência, os próprios pais se sentem perdidos, também não têm uma linha, um rumo. Emergem discursos e comportamentos erráticos, estabelece-se uma latitude excessiva e desreguladora do que deve ou não deve ser feito e, em último recurso, uma birra bem feita, dá a volta a qualquer linha tenuemente estabelecida.
Os próprios miúdos, com alguma frequência, se sentem perdidos, por um lado, com tantas linhas que do lado de fora se oferecem e, por outro, com uma ausência de linha que organize, que defina caminhos, no fundo, que balize a estrada da sua vida.
A grande questão é que os miúdos precisam desesperadamente de uma linha, não a linha que no meu tempo nos era imposta, mas sim a uma linha consistente ainda que flexível, dialogada mas decidida, definida com clareza nos seus limites mas que entende os desacordos.
Como sou um optimista moderado, acho que nós e os miúdos somos capazes de descobrir a linha, as linhas.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

TEIP - Território Educativo com a Intervenção Possível

Os resultados da avaliação externa às escolas de 2008-2009 comentados no Público vêm, sem surpresa, mostrar que os resultados escolares e o comportamento dos alunos que frequentam escolas integradas em Territórios Educativos de Intervenção Prioritária não melhoraram significativamente, embora as escolas tenham procurado desenvolver estratégias de mudança.
De há muito que afirmo que o sistema educativo português, designadamente o subsistema público, é formado quase que exclusivamente por TEIPs, alguns Territórios Educativos de Intervenção Prioritária e muitos Territórios Educativos onde se faz a Intervenção Possível. Este quadro, traduzido nos níveis elevados de insucesso e abandono, decorre de muitas razões, umas mais interiores ao sistema educativo como políticas educativas erradas ou reformas sucessivas não avaliadas e sempre em alteração e outras de natureza mais geral como os modelos de desenvolvimento social e económico ou os fenómenos de guetização urbanística que criam ilhas de problemas que integram escolas de problemas.
Neste contexto e apesar dos esforços das escolas, dos professores, e de alguns meios acrescidos com que os TEIPs contam, não é previsível que a curto prazo as mudanças positivas possam ser significativas pelo que não surpreende a continuação dos maus resultados dos alunos e os problemas de comportamento. Um gueto terá sempre uma escola guetizada com uma população vulnerável ao insucesso e a problemas de natureza social. As respostas envolvendo obviamente a escola, transcendem a escola, é um problema de modelo social e de comunidade.
Não é um problema de conjuntura que pode, circunstancialmente, ser mais ou menos favorável, é um problema de estrutura.

A NOSSA NECESSIDADE DE CONSOLO

A minha avó Leonor usava com muita frequência o termo desconsolo para caracterizar qualquer situação ou facto que considerasse menos positivo, "está um frio que é um desconsolo", "não faças isso, é um desconsolo", "são pessoas infelizes, é um desconsolo". Se ela estivesse connosco agora muito mais desconsolo haveria de encontrar. Os tempos são tempos de desconsolo.
Stig Dagerman acha que a "nossa necessidade de consolo é impossível de satisfazer". Se se entender como ele que "só existe uma consolação verdadeiramente real: a que me diz que sou um homem livre, ser inviolável, soberano dentro dos seus limites", então estaremos condenados ao desconsolo, um homem livre, inviolável, soberano, parece do domínio da utopia e os tempos são os da absurdidade de que fala António Vieira.
No entanto, sou um tipo moderadamente optimista, quando olho para miúdos pequenos que estão a aprender a ser gente gosto de acreditar que não estarão condenados ao desconsolo. Talvez possamos ser menos exigentes que Dagerman no seu angustiado opúsculo, talvez possamos encontrar consolo, algum consolo.
Do meu ponto de vista a dignidade e o afecto são fontes fundamentais de consolo e acho que para muitos de nós a dignidade e o afecto serão alcançáveis, devendo mesmo ser exigidos.
É, se não deixarmos que nos roubem a dignidade e se encontrarmos o Outro a nossa necessidade de consolo é possível de ser cumprida, quase.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

O EMPREGO, SEMPRE O EMPREGO

A taxa de execução do Programa Iniciativa para a Inovação e o Emprego 2009 parece rondar os 70%, iniciando-se hoje a discussão do Programa para 2010.
No âmbito do Programa estavam previstas medidas excepcionais de apoio a trabalhadores e empresas que teriam um universo de destinatários de cerca de 311 000 pessoas. Desse universo e segundo dados oficiais apenas 48 000 foram abrangidas, correspondente a 13.7%.
Tal resultado espelha uma realidade inquietante. Para além da dificuldade de conter a montante o efeito mais gravoso da crise, o desemprego, tarefa de óbvia dificuldade face à dimensão e complexidade, ainda revelamos um preocupante grau de eficácia no combate aos efeitos, ou seja, adjudicamos meios e esforços e os resultados são insuficientes.
No último ano registaram-se cerca de 108 000 novos desempregados, 26.1% acima de 2008. Ao que parece, nos últimos meses do ano ainda que o desemprego continue a aumentar terá aumentado menos. De uma forma geral, os discursos e as análises nesta matéria vão afirmando que apenas para 2011 se poderá esperar alguma recuperação ao nível do emprego.
Neste quadro negríssimo emerge a voz lúcida e competente do delinquente ético Valter Lemos que, desempregado na educação, entrou no programa de apoio ao emprego e face ao mérito revelado foi colocado na Secretaria de Estado do Emprego. O Dr. Lemos afirma então que, "Parece-me claro que estamos numa trajectória que manifestamente é de saída dos números negros que tivemos durante 2009. A curva está claramente a inverter-se". Naturalmente que só o Dr. Lemos é que vê este cenário o que não se estranha, já na educação o Dr. Lemos tinha alucinações e confundia a realidade com os seus desejos.
É também por isto, a qualidade da lideranças, que os programas falham.

IMPERMEÁVEL E RESPIRÁVEL

Um tempo disponível e a necessidade de arejar as sinapses empurraram-me para uma corridinha ao fim da tarde, já bem de noite.
Para não variar começou a chover, daquela chuva miúda, persistente, que faz que não molha mas molha mesmo. Felizmente que inventaram umas fibras que sendo praticamente impermeáveis se mantêm respiráveis e que nos permitiram dispensar aqueles casacos pesados de nylon que quando não metiam água da chuva por fora, nos deixavam encharcados por dentro devido ao efeito de sauna.
Contente com esta cómoda solução têxtil e embalado pelo passo lento, lembrei-me, de repente, como seria interessante que se inventasse uma forma de proteger a vida dos miúdos das intempéries que alguns deles têm à volta e tornar a vida um pouco mais confortável. Poderia ser criado um dispositivo de protecção que fosse quase impermeável às agruras dos tempos maus, protegendo-os das mais pesadas pois também é preciso passar por algumas e que, ao mesmo tempo, fosse respirável, ou seja, não fosse um dispositivo que os mantivesse numa redoma estanque e os asfixiasse, mas sim algo que lhes permitisse continuar a respirar, a viver. Um dispositivo desta natureza seria um bem precioso.
Mas esta é uma ideia completamente disparatada que seguramente foi motivada pela água que entretanto fui apanhando na cabeça. Quem me mandou correr à chuva.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

POBREZA E PARTIDOCRACIA

Ainda que com uma ponta de demagogia acho que vale a pena relacionar duas notícias da imprensa de hoje.
A primeira, relembra-nos que segundo o Eurostat e dados de 2008, o risco de pobreza em Portugal é de 18%, correspondendo a cerca de 2 milhões de portugueses, superior à média europeia. Se considerarmos diferentes escalões etários, o risco de pobreza em Portugal sobe cinco pontos percentuais, 23% no caso das crianças e adolescentes até aos 17 anos e para 22 % no caso dos idosos. Curiosamente entre a população empregada o risco ainda é de 12%, o que evidencia o nível baixo dos salários em Portugal e a necessidade de aumento do salário mínimo.
A outra notícia informa-nos que o Tribunal Constitucional entende que PSD, PS e CDS-PP utilizaram para fins partidários uma verba superior a 5 milhões de € providenciada pelos contribuintes para o orçamento dos grupos parlamentares regionais.
Do meu ponto de vista as duas notícias relacionam-se na medida em que ambas traduzem algo que recorrentemente refiro, a necessidade de elevação dos padrões éticos que regula a nossa vida política e económica.
A pobreza é, também, consequência de modelos económicos e políticos que secundarizam as pessoas, as tornam vulneráveis e as maiores sofredoras do endeusamento do mercado. Continuo a entender que em economia e política é fundamental uma dimensão ética e moral. Quando tal não acontece temos exemplos como o da notícia, a partidocracia e os seus interesses a sobreporem-se a padrões éticos essenciais.
A questão mais inquietante é que tudo isto se passa sem um sobressalto.

A HISTÓRIA DE UM VIRTUOSO

Ontem no meu Alentejo a chuva não possibilitou o trabalho na rua mas ajudou às lérias no telheiro. Uma vez que a terra ainda não permite semear as ervilhas e as favas de tão carregada de água que está, dizia eu para o Mestre Zé Marrafa que podíamos aproveitar as urtigas, não temos falta, rebentam por todo lado. O Mestre Marrafa comenta que os ortigões, designação que passo a utilizar, são bons e contou-me a história de um homem Virtuoso, o que tem virtudes acima dos outros humanos, que vive lá para os lados de Évora. Não vos peço que acreditem, oiçam apenas, com os olhos é claro, as histórias do Virtuoso, contadas pelo Velho Marrafa.
Pois o Virtuoso curou com chá de ortigões uma irritação que o Mestre Marrafa apanhou no sangue que lhe provocava comichão terrível e uns altos na pele. Não foi fácil durante algum tempo e em pleno verão alentejano beber só chá de ortigões, as urtigas machos, mas a irritação no sangue passou.
É que o Virtuoso é homem de muita sabedoria e já conhecido do Velho Marrafa. Começou a receitar logo aos sete anos e sempre com sucesso. O Virtuoso só tem uma limitação, não se aproxima de pessoas que tenham consigo, à vista ou escondido, ele percebe, algo de cor vermelha, situação que o Velho Marrafa comprovou quando o Virtuoso não se lhe chegou ao pé para o consultar por a mãe ter na saia de baixo uma coisa encarnada. Logo que a tirou o Virtuoso deu a consulta e fez a receita, bem sucedida como sempre.
Numa outra ocasião, a caminho de uma consulta com o Virtuoso ia uma mãe com uma gaiata numa burrinha quando um lagarto atravessou a estrada. A gaiata disse para a mãe que podiam apanhar o lagarto para oferecer ao Virtuoso. Esquecido o episódio e depois da consulta quando a mãe perguntou ao Virtuoso quanto era, o homem de virtudes respondeu que não era nada e disse para a gaiata que podia ter apanhado o lagarto para lhe oferecer. A mãe, contava o Velho Marrafa, se ali houvesse um buraco tinha desaparecido.
Ainda ouvi mais dois ou três exemplos das virtudes do homem Virtuoso, sempre com o Velho Marrafa com os seus olhos pequeninos a escrutinar minha reacção.
Devo dizer-vos que gostei de ouvir o Velho Marrafa a contar histórias do homem Virtuoso lá dos lados de Évora. E também gosto da ideia de acreditar nas histórias.
Não sei se consigo e também não me preocupa. Entretanto, cá em casa, fizemos chá de ortigões que, não sei se sabem, faz bem à circulação.

domingo, 17 de janeiro de 2010

O ANJO DA GUARDA, NOCTURNO

Cansado da agenda do país que se apresenta dividida entre a inesperada disponibilidade para se candidatar a Presidente da República de Manuel Alegre, o dono das esquerdas e combatente indomável contra todas as direitas, a esperada necessidade de acordos políticos que tornam o país governável, bem ou mal, e o saco de gatos em que o PSD se transformou, dei com uma notícia no DN que achei interessante.
O Governo e a Associação Nacional de Municípios estão a construir uma proposta de colocação de guardas-nocturnos em todas as cidades e vilas. Gostei de ler e espero que se confirme.
Não sei avaliar, mas acredito que pode ter um impacto significativo e óbvio na segurança e, muito importante, no sentimento de segurança sentido pelo cidadão. É nesta perspectiva que me lembro de nos meus tempos de jovem e com vida nocturna alargada, por assim dizer, quase todas as noites nos cruzarmos com o guarda-nocturno da minha área, mantermos uma cavaqueira que nos punha mais próximos e que nos dava a sensação de que na rua andava alguém que conhecia as pessoas que lá moravam e que zelava por nós. Algumas pessoas contribuíam com algo para o guarda-nocturno e essas tinham "vigilância privilegiada". O bairro senta-se mais tranquilo, o Sr. Silva andava por lá.
Como disse, mais do que saber o impacto objectivo da presença do guarda-nocturno no abaixamento da criminalidade, tenho a certeza que as pessoas vão sentir-se mais seguras se souberem que o Sr. Silva, enquanto dormimos, anda na rua a olhar pela nossa rua, o nosso mundo.

sábado, 16 de janeiro de 2010

A VIOLÊNCIA DA NATUREZA E A VIOLÊNCIA DOS HOMENS

Por opção, nunca no Atenta Inquietude são abordados os problemas e questões fora do nosso contexto, Portugal.
No entanto, é impossível resistir a uma referência à tragédia do Haiti, um país que, desde que existe, vive em tragédia. As imagens que sem pudor nos entram pela casa são a definição da vulnerabilidade, do terror, da impotência, no fundo, a expressão trágica e definitiva da nossa pequenez.
O drama ultrapassa e relativiza tudo aquilo que cada um de nós entende como sofrimento. Estão e vão desencadear-se, é habitual e imprescindível, iniciativas de apoio das mais variadas naturezas e origens. Vão chover as mensagens de solidariedade, como esta. A questão é que a devastação tem dimensões irrecuperáveis.
Quando nos confrontamos com a violência que a natureza pode assumir e para a qual nunca estaremos suficientemente preparados, deveríamos entender e assumir que, pelo menos, a violência de que somos nós os responsáveis fosse minimizada e evitada.
Na verdade, a violência de que somos responsáveis, como guerra, fome ou ausência de cuidados de saúde em boa parte do mundo, causam mais vítimas que a violência da natureza.
Uma das diferenças é que a violência da natureza a todos nos faz sentir fracos e pequenos, a violência das pessoas a alguns faz sentir fortes e grandes, aos responsáveis, como é óbvio.

BRINCAR COM BONECAS


    (Foto de Vitor Tripologos)

Os velhos que brincam com bonecas são velhos mais felizes. As bonecas que brincam com velhos são menos velhas. Os miúdos que brincam com velhos são miúdos mais felizes. Mais felizes ficam os novos e os velhos que, juntos, brincam com bonecas.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

CHUVA E PSICOLOGIA

Continua a chuva, não me parece estranho, estamos no Inverno. Talvez já não estejamos habituados porque os últimos anos foram mais secos, mas é habitual chover no Inverno, aliás, é preciso que chova no inverno.
A propósito da chuva de inverno o DN apresenta um trabalho sobre os eventuais efeitos do tempo nas pessoas, no seu estado de espírito. De acordo com a psicóloga ouvida, a chuva tem influência no estado de espírito das pessoas embora varie de pessoa para pessoa. A sério? Completamente inesperado mas a seguir somos esclarecidos, “se a pessoa não gosta de chuva, há depois a tendência para se fixar em tudo o que é negativo”. É o que me acontece, uso mota quase diariamente e tanta chuva torna-me impaciente e irascível, fico completamente sem paciência para tanta psicologização. E quando vier o calor e algumas pessoas não gostarem, como vai ser? E quem não se dá muito bem com a Primavera e com as flores?
E agora que fazer às pessoas que não gostam de chuva, ficam mal dispostas e até podem deprimir-se? Será melhor uma psicoterapia ou basta aconselhá-las a que emigrem para países com sol o ano inteiro?
Podem, por outro lado, sempre confiar nos alegados efeitos do aquecimento global, a seca na zona mediterrânica.

O MIÚDO QUE FICA À PORTA

Na sala de professores lá da escola, estava a Professora Joana quando entrou o Professor Velho, sabem, aquele que está na biblioteca e fala com os livros.
Olá Joana fazes-me companhia no chá da manhã?
Claro Velho, chá a dois é mais quente. Já sabes que quando te encontro aproveito para falar dos alunos, passamos o tempo de volta de papéis e mal temos tempo para pensar nos gaiatos. Conheces o Bruno? Aquele do 6º B, que já tem sido falado nas reuniões por causa do comportamento e da dificuldade que temos em falar com ele?
Sim sei qual é, é um miúdo que fica à porta.
Fica à porta?! Que queres dizer com isso?
Talvez ainda não tenham dado por isso porque não falam com ele, não é fácil, tive que andar à espreita para perceber como lhe chegar, mas os velhos são pacientes. Sabes, quando alguém que nos bate à porta, abrimos e muitas vezes dizemos "entre não fique à porta", é porque à porta não se está bem. Eu acho que ficar à porta é pior que ficar na rua, à porta vemos o aconchego e não entramos, na rua nem o vemos. Pois eu acho que o Bruno fica à porta da família, fica à porta do pai e a mãe que, com o irmão mais pequeno, com o trabalho e com a lida mal, têm tempo de perceber que o Bruno ali está, à porta. E acho que na escola ele também fica à porta, no seu canto, não falam com ele e não sabe se pode entrar e como entrar. Se reparares ele está atento e quando se agita é para, mais uma vez, tocar à campainha. Eu acho que ele, felizmente, ainda sente que um dia vai entrar. Mas ias a dizer o quê do Bruno?
Nada Velho, o chá ficou frio, tenho que me ir embora. Tenho que ir abrir a porta ao Bruno.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

NEGOCIAR E "GANHAR - GANHAR"

Ouvir ou ler que o Governo está ou vai iniciar negociações com diferentes parceiros sobre matérias em que deve decidir, é um facto relativamente novo no cenário político português dos últimos anos.
Diz-se que os processos de negociação têm três finais possíveis, "ganhar - perder" em que uns ganham e acham que fizeram um bom negócio enquanto outros perdem sentindo que fizeram um mau negócio, "perder - perder" em que todos os envolvidos acham que fizeram um mau acordo e o terceiro, "ganhar - ganhar", em que as partes envolvidas entendem que fizeram o melhor acordo possível.
Esperemos que as negociações sobre as decisões políticas de fundo se encaminhem para um final de "ganhar - ganhar". Para que isto aconteça é fundamental que os "negociadores" coloquem os interesses gerais acima dos interesses particulares, é preciso que os "negociadores", não esquecendo as diferenças, encontrem as convergências que tenham como objectivo último as condições de vida das pessoas.
A praxis política dos últimos anos não me deixa ser muito optimista, mas considerando a situação grave que atravessamos, os problemas dramáticos que milhões de pessoas e famílias sentem, quero acreditar que os "negociadores" se empenhem genuinamente em estabelecer os melhores acordos possíveis, ou seja, os que mais úteis possam ser para os portugueses.

VIDA DE ENLEIOS

Existem palavras que são bonitas e palavras que são feias, para mim é claro. Algumas palavras bonitas dizem coisas também bonitas, céu, por exemplo. Algumas palavras bonitas dizem coisas que podem não ser bonitas, medo, por exemplo, acho uma palavra bonita e também é verdade que nem todos os medos são feios. Algumas palavras feias dizem coisas bonitas, feliz, por exemplo. Algumas palavras feias dizem coisas também feias, humilhar, por exemplo.
No meu Alentejo usa-se muito uma palavra daquelas que eu acho bonita e, quase sempre, diz coisas que não são bonitas, enleio. Não acham enleio uma palavra bonita? Pois enleio na linguagem comum do meu Alentejo significa confusão, equívoco, problema, etc.
Quando se olha para o mundo à nossa volta os enleios que por aí andam. Tanta gente com a vida um enleio. São muitas as razões para os enleios que afectam os mais novos e os mais velhos e são muitas as dificuldades para se sair desses enleios.
Há muita gente que parece ter nascido e enleada, enleada vive e enleada acabará.
Tenho pena que no meu Alentejo se use assim uma palavra tão bonita, enleio.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

VIOLÊNCIA, ESCOLA E FAMÍLIA

A propósito do incidente de ontem no Colégio de Braga em que um adolescente foi ferido por um disparo acidental de um colega que mostrava uma pistola trazida de casa, o Director do Observatório de Segurança Escolar afirmou que as participações de violência nas escolas diminuíram 45% nos últimos três anos. Sabemos que em diversas áreas o número de participações não corresponde ao número de ocorrências pelo que os números reportados podem não ser reais.
No entanto, é de registar a descida dos episódios que se deverá provavelmente a um mais atento e eficaz trabalho das escolas nesta matéria. Por outro lado, parece-me importante sublinhar dois aspectos que recorrentemente afirmo e que, não sendo desconhecidos de ninguém, são, por vezes esquecidos.
Em primeiro lugar a escola é, será sempre, um reflexo do contexto económico, social e cultural, bem como do sistema de valores em que se integra. Neste quadro, em tempos de violência, a escola espelha essa violência, em tempos de sentimento de insegurança, a escola espelha essa insegurança, em tempos de sentimento de impunidade, a escola espelha esse sentimento de impunidade. Por tudo isto não é possível, como alguns discursos o fazem, responsabilizar exclusivamente a escola, por estas situações. A escola fará certamente parte da solução mas não é, não pode ser, A solução, esta passará por intervenções concertadas no âmbito das comunidade.
Um segundo aspecto prende-se com o trabalho com as famílias. Muitos casos de violência na escola estão associados, não estou a falar de uma relação de causa-efeito, à acção negligente ou menos competente por parte das famílias. Continuo fortemente convicto que nas escolas deveriam ser criados dispositivos, com recursos, humanos e de tempo por exemplo, para trabalho sistemático e estruturado com as famílias. Com as metodologias mais frequentes, reuniões de pais e convocatória para as famílias problemáticas irem à escola, que se revelam ineficazes, a maioria dos pais nem sequer aparece, creio que será muito difícil alterar ou, pelo menos, minimizar os efeitos das variáveis familiares nos comportamentos dos miúdos.
É evidente que a vigilância e os dispositivos de segurança são importantes mas não chegam.

FALTOU A LUZ

Uma das mais vulgares expressões em português é, creio, faltar a luz, significando falha de energia mesmo quando tal acontece durante o dia. De facto, faltando a energia falta a luz. Ou será que é ao contrário.
Esta noite tive a surpresa interessante de chegar a casa em plena falta de luz. Contrariamente ao esperado a falha prolongou-se e já vai em horas. Devo dizer que foi o desatino completo. Vista a partir da vela ou da lanterna a casa, o mundo, parece outra coisa. As rotinas desorganizam-se e desorganizam-nos. Ainda dizemos que não gostamos de rotinas, logo que nos escapam ficamos aflitos.
A casa, o mundo, transforma-se num jogo de sombras que se agitam, nos confundem, e o conhecido fica quase desconhecido, é outra casa, outro mundo. Ainda me lembro de parte da minha infância se ter passado à luz do candeeiro a petróleo e, posteriormente, do inovador Petromax. A lembrança de ontem só me faz sentir mais a falta de hoje, aquilo era dantes.
Não consigo ler o jornal, não sei como vai o mundo lá do lado de fora, não tenho televisão nem net. Esperem, a net resolve-se, tenho a banda larga que uso no meu Alentejo. Que alívio, já posso voltar a espreitar o que por aí vai.
Também já posso vir ao Atenta Inquietude colocar este desabafo.
A falta que faz a energia, a luz.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

GORDURA NÃO É FORMOSURA

Há uns meses atrás, a propósito de um estudo realizado em Portugal mostrando como a obesidade infantil é já um problema de saúde pública implicando, por exemplo, o disparar de casos de diabete tipo II em crianças, relatei aqui no Atenta Inquietude a cena de um extremoso pai que, ao meu lado, proporcionava a uma criancinha com 8 ou 9 anos um pequeno almoço composto de três salgados e uma lata de cola. Curiosamente esse texto despertou algumas reacções vindas, creio, de algumas pessoas que entendem que qualquer discurso ou iniciativa no âmbito dos comportamentos configuram uma intromissão e desrespeito dos direitos individuais. Insisto na necessidade de iniciativas e discursos que promovam comportamentos mais saudáveis sobretudo quando se trata de crianças que são obviamente mais vulneráveis e desinformadas.
Neste contexto, entendo que se deve apoiar a prevenção inibindo, por exemplo, a publicidade televisiva em matéria de alimentação a alguns tipos de produtos durante os horários em que as crianças mais assistem, medida hoje divulgada. Os estudos mostram que a publicidade tem impacto nos comportamentos dos miúdos pelo que não sendo tudo é uma medida que me parece positiva. É da mesma natureza que não ter à venda nas escolas alimentos hipercalóricos, algo que até há pouco acontecia.
Provavelmente, teremos algumas reacções contra o chamado “fundamentalismo nos hábitos individuais” mas creio que é defensável a iniciativa.

A DESCONFIANÇA NO CONTRATO DE CONFIANÇA

Questão prévia, muitas vezes tenho referido aqui no Atenta Inquietude que face aos nossos baixos níveis de qualificação e aos desafios das sociedades actuais, designadamente os impactos da globalização, o nosso futuro depende em grande parte de sério esforço no sentido de qualificar os nossos melhores activos, as pessoas.
Também já disse que entendo o Programa Novas Oportunidades como um bom princípio mas que, por pressão política, estabeleceu um enorme equívoco entre qualificar, aumentar as competências das pessoas, e certificar, afirmar que as pessoas têm as competências independentemente de isso acontecer. Quem conheça este processo por dentro perceberá como em muitas situações o que se passa não é sério nem se trata, de facto, de qualificação.
Temo com este antecedente que o Contrato de Confiança ontem estabelecido com o ensino superior, universitário e politécnico, seja o estender dos erros do Novas Oportunidades ao ensino superior. A injecção de 100 milhões de euros no ensino superior destina-se a qualificar 100 000 indivíduos. As instituições recorrerão a estratégias inovadoras, presenciais e não presenciais, destinadas a pessoas no activo e sem qualificação ou que desejem ajustar percursos de vida. Mais uma vez a ideia, tal como no Novas Oportunidades, parece boa mas será que a qualidade da formação a proporcionar resistirá à pressão para certificar? É que o financiamento depende da produtividade.
É certo que a autonomia universitária poderá ajudar a defender as instituições da pressão política mas o modelo de funcionamento torna-as, paradoxalmente, altamente dependentes da decisão política.
Gostava de ser optimista mas tenho alguma desconfiança no Contrato da Confiança.

O QUARTO ESCURO

Há muitos anos atrás era frequente ameaçar as criancinhas de que iriam para um quarto escuro se fizessem asneira. Tenho ideia, não sei se correcta, de que a utilização desta, por assim dizer, ferramenta de gestão do comportamento dos meninos caiu em desuso. Provavelmente ter-se-á verificado uma actualização do pensamento dos adultos sobre o que acham que pode assustar os miúdos.
De qualquer forma creio o quarto escuro está ainda presente na vida de muita gente pequena.
Alguns vivem em autênticos buracos negros sem perceber muito bem como lá foram parar e como de lá podem sair, é que não se vê nada. Nada que possa servir de referência, que projecte alguma luz sobre o caminho a seguir ou sobre o que pensar. Alguns destes transportam o quarto escuro dentro de si e cobram isso a quem com eles se cruza. Para fugir do medo causam medo, vivem disso.
Outros miúdos andam pela vida um pouco perdidos à procura de caminho. Se passarem à beira do quarto escuro podem sentir-se tentados a entrar. Será bem mais difícil sair.
Temos ainda um grupo de miúdos que vivem em quartos muito iluminados, mas que, de mansinho, começam a sentir a sombra que antecede o escuro a instalar-se por dentro. Estão sós, ou acompanhados de outros tão sós quanto eles e, aparentemente, tranquilos. É preciso estar atento.
No fundo isto mostra como é fundamental a luz na vida dos miúdos. Não é necessário ameaçá-los com o quarto escuro. É mais importante ajudá-los a sair ou evitar que para lá entrem.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

QUE O MEU FILHO CHEGUE ALTO

É muito frequente ouvir da parte de pais a expressão do desejo de que os seus filhos “sejam alguém na vida” ou, noutra versão, que “subam o mais alto possível”. É importante e desejável que os pais assumam expectativas positivas sobre o futuro dos filhos. As crianças ficam satisfeitas se sentirem que os pais têm confiança nas suas capacidades e na possibilidade de progredirem.
No entanto, estas expectativas nos tempos actuais são muitas vezes expressas de uma forma exacerbada criando uma pressão excessiva que para algumas crianças e adolescentes pode revelar-se insustentável e ter, não é raro, consequências muito pesadas.
Este desejo de que os filhos cheguem o mais alto possível parece ter até uma expressão de significado literal. Ao que relata o DN recorrendo ao testemunho de especialistas, começa a ser frequente que os pais solicitem a prescrição de tratamentos com hormonas de crescimento para que os seus filhos sejam mais altos, não se estando em presença de situações problemáticas ao nível do desenvolvimento corporal. Este comportamento decorre do facto de a altura ser considerada um atributo significativamente contributivo para o sucesso.
Esta atitude dos pais para além de revelar o seu próprio desconforto com os filhos e o seu processo de crescimento, pode revelar-se negativo para algumas crianças que poderão perceber-se como não correspondendo às expectativas dos pais ou como menos capazes de progredir e atingir o sucesso.
Sabemos como o nível extremamente competitivo das sociedades actuais promove comportamentos deste tipo, por isso e como sempre, é fundamental que quem lida com crianças e adolescentes e respectivos pais esteja permanentemente atento à forma como se exerce a parentalidade que, muitas vezes de forma bem intencionada, coloca algumas armadilhas aos miúdos.

A ANGÚSTIA, A DEPRESSÃO OU O STRESS

Num jornal televisivo de hoje foi apresentada uma peça que achei curiosa, referia-se a uma eventual depressão do Domingo à Noite. Clarificando, abordava-se o mal-estar que, parece, afecta as pessoas ao domingo à noite por terem que ir trabalhar na segunda-feira. Foram ouvidas algumas pessoas, mais um dos inenarráveis inquéritos de rua, e um psicólogo. As opiniões das pessoas, de uma forma geral, revelaram que não gostam da segunda-feira, mas parece, algumas disseram-no que não gostam dos outros dias. Uma das excepções foi uma senhora reformada que, por isso mesmo, acha que os dias são todos iguais. O psicólogo entende que talvez não seja de falar de depressão mas de uma certa angústia.
Com o devido respeito, mas esta peça fez-me lembrar a resposta de um conhecido futebolista quando lhe perguntaram se sentia stress. Disse o rapaz que "stress era querer dar de comer aos filhos e não ter".
Os problemas que inventamos são extraordinários e um bom retrato social. Temos mais de 10% de desempregados, cerca de 600 000 pessoas, temos 2 milhões de pessoas no limiar de pobreza e discutimos o stress, a angústia ou a depressão de ir trabalhar na segunda-feira.
Desculpem lá o sem jeito deste texto mas estava meio deprimido, stressado ou angustiado, não sei bem, por ter que trabalhar amanhã e a inspiração foi-se.

domingo, 10 de janeiro de 2010

GERAÇÃO PERDIDA

O Publico hoje apresenta um trabalho interessante sobre os problemas da geração que muitos consideram perdida, a que está entre os 16 e os 25 anos. Devo dizer que não gosto e não acredito na ideia de geração perdida. Na forma como se olha para o problema da geração que em cada momento histórico está a chegar à vida adulta não é raro a utilização do termo "perdida" para a caracterizar. Também a minha geração quando chegou ao final da adolescência era uma geração perdida, nos costumes. Dito isto, é bom termos consciência que a geração actual entre os 16 e os 25 enfrenta problemas sérios na construção do seu projecto de vida. Andaremos melhor, creio, se bem percebermos como os modelos culturais, sociais e, sobretudo, de desenvolvimento económico criaram um cenário de grande dificuldade, sobretudo ao nível da entrada no mercado de trabalho. A circunstância de crise, esperemos que conjuntural, acentua e amplia as dificuldades. Os jovens, por não terem ainda entrado no mercado de trabalho, fazem parte das franjas mais vulneráveis e ameaçadas pelas dificuldades e das menos protegidas por políticas sociais. Por outro lado, como também a refere a peça que o Público dedica a esta matéria, a actual geração é a mais qualificada de sempre, ou seja, a que mais preparada se encontra para construir um projecto de vida o que é essencial.
Assim, do meu ponto de vista, mais do que considerar perdida a geração que está bater à porta da vida adulta, é necessário, diria imprescindível, repensar modelos e valores, deixar de endeusar o mercado, recentrar as políticas nas pessoas. Se não o fizermos e sem ser catastrofista, correremos o sério risco de fazermos todos parte de gerações perdidas, seja qual for a idade.
Devo dizer que, nesta matéria, sou razoavelmente optimista, a história permite esse optimismo.

sábado, 9 de janeiro de 2010

HAJA PUDOR

Como é evidente, em cargos de nomeação existe um poder discricionário de quem nomeia que é incontornável. É para combater esta discricionariedade que muitos cargos e funções devem ser ocupados mediante concurso. O Governo, usando o seu poder discricionário, nomeou Maria de Lurdes Rodrigues para presidente de uma das mais importantes fundações, a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Não estranho, estamos em Portugal onde a função nem sempre se liga ao currículo e ao mérito. Curiosamente isto acontece na mesma data em que o acordo entre ME e os sindicatos dos professores demonstra o quão erradas estiveram as posições da equipa chefiada por Maria de Lurdes Rodrigues. De facto, os aspectos que mais questões levantaram e mais incompetentes se revelavam caíram no acordo estabelecido.
Neste quadro, do meu ponto de vista entende-se mal como a acção politicamente desastrada é “premiada” com a presidência da FLAD. Mandaria o pudor e o bom senso que se guardasse um período de nojo antes de encontrar um belo “job” para uma “girl” aplicada.
A propósito de falta de pudor parece-me também interessante o lançamento de um livro de natureza auto-biográfica por Pedro Passos Coelho onde também, parece, apresenta algumas ideias para o país. Telegraficamente, o Dr. Passos Coelho nasceu em 1964, licenciou-se em Economia já para o tarde, impedido certamente pela presença no aparelho do PSD desde que aos 13 anos entrou para a JSD. Começou a trabalhar em 2001 o que demonstra a longuíssima carreira profissional. Pois esta vida dá direito a um livro auto-biográfico.
Haja pudor que é coisa que desapareceu da cena política portuguesa.

O CANTO


                            (Foto de Vitor Tripologos)

O encanto da vida que vivemos. Juntos.
O desencanto por teres partido. Só.
O canto onde me deixaste. Só.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

HABEMUS ACORDO

Das janelas da 5 de Outubro saiu finalmente fumo branco, “Habemus Acordo”. Quando se estabelece um acordo entende-se por definição e natureza que as partes envolvidas se sentem satisfeitas, daí o acordo. È bom que se tenha conseguido esse entendimento e que o clima das escolas se aquiete.
No entanto, penso que seria bom reflectir em todo o processo que aqui nos trouxe. Foram quatro anos de guerra, de inflexibilidade e de arrogância na defesa de um estatuto de carreira e de um modelo de avaliação que continham dispositivos que, mais do que incompetentes e discutíveis, eram absolutamente indefensáveis, a divisão entre professores titulares e outros é o paradigma dessa insustentabilidade. Este tempo criou danos na escola, no trabalho desenvolvido, cujo impacto é difícil de avaliar mas é certamente reconhecido.
O que não se entende é que se trata de um Governo com a mesma liderança, basicamente com o mesmo programa, que emergiu do mesmo partido e que depois de uma guerra de anos é capaz de um acordo aceitando, implicitamente, o erro de posições e ideias anteriores.
Não é grave mudar de ideias e de entendimentos sobre qualquer matéria, antes pelo contrário, é sinal de inteligência, o que é grave, é permitir e sustentar algo de obviamente errado, condenado à mudança por arrogância e incompetência. E a responsabilidade não é exclusivamente da anterior Ministra.
Que o ano seja Novo e Bom.

AS VOZES QUE O TIAGO OUVE

Um dia destes estava o Professor Velho, aquele que está na biblioteca e fala com os livros, a visitar Camus que morreu fez agora 50 anos, quando entrou o Tiago, o do 8º ano, que se lhe dirigiu meio embaraçado dentro do jeito que lhe é próprio.
Professor Velho preciso que me ajudes a encontrar um livro.
Olá Tiago e sobre que assunto é que te interessa o livro, é para algum trabalho?
Não Velho não sei explicar bem mas era um livro que falasse de miúdos da minha idade, das coisas da nossa vida.
Queres dizer-me mais alguma coisa para ver se te posso ajudar?
Velho, só oiço vozes a gritar comigo, quase ninguém fala, toda a gente grita. Gritam os meu pais por tudo e mais alguma coisa, gritam os professores que dizem que já não têm paciência, os meus amigos também só gritam. Quando quero falar, sem gritar, não ligam, só gritam, estou cansado destas vozes.
E não consegues falar mesmo com ninguém?
Quer dizer, falo com o meu avô quando a gente vai lá ou ele vem cá, falo com a Andreia que também não gosta das vozes que só gritam e, às vezes, com a Setora Joana aos intervalos quando a encontro. É a única que fala com a gente sem gritar.
Isso é bom Tiago, eu acho que podias ler livros sobre coisas que gostes, procurares encontrar-te com a Andreia e se estiverem com atenção vão ver que há mais gente que gosta de falar. Podes tentar falar mais vezes com professora Joana, ela vai gostar e, claro, podes aparecer quando quiseres aqui na biblioteca.
Pois é Velho, tu também não gritas.

Nota - A memória é uma teia de muitos fios. Não sei se o texto me fez lembrar o meu amigo de juventude, o A. ou se o meu amigo A. me soprou o texto. A última vez que falei com ele disse-me que já não suportava mais as vozes, sempre a gritarem-lhe. Decidiu acabar a viagem dois ou três dias depois.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

ARRANJEM-ME UMA FAMÍLIA, POR FAVOR

Arranjem-me quem goste de mim, quem cuide de mim, pode ser uma família, de quem eu goste e que me ajude a ser gente de bem”.
Está na agenda a questão da adopção, sobretudo pela eventual decisão legislativa sobre a adopção por parte de casais de homossexuais. Assisto com alguma curiosidade e, por vezes, perplexidade às diferentes vozes e opiniões.
Nas mais das vezes, do meu ponto de vista, é esquecido a criança, as crianças ou, na versão oficial, o “supremo interesse da criança” tão proclamado e tão desprotegido. Para ilustrar esta ideia e sempre a pensar na adopção talvez fosse de atentar na situação hoje relatada no CM de uma criança que começou por ser abandonada pela mãe, fica com a avó cega, é institucionalizada e demora 11 anos a entrar na lista de adopções. É também conhecida a dificuldade que em Portugal se sentem nos processos de adopção e a quantidade excessiva e inaceitável de crianças institucionalizadas.
Neste quadro, para além dos valores evocados, certamente de ponderar, parece-me sobretudo não esquecer as crianças, o seu bem-estar. Por isso renovo o apelo com que comecei este texto.
Arranjem-me quem goste de mim, quem cuide de mim, pode ser uma família, de quem eu goste e que me ajude a ser gente de bem.”

OS (DIS)MIÚDOS

Estranharão certamente o título mas vou tentar explicar. De há uns tempos para cá uma boa parte dos miúdos e adolescentes ganharam uma espécie de prefixo na sua condição, o "dis".
Se bem repararem a diversidade é enorme, ao correr da lembrança temos os meninos que são disléxicos (em gama variada), disgráficos, discalcúlicos, disortográficos ou até distraídos.
Temos também as crianças e adolescentes que têm (dis)túrbios. Estes também são das mais diferenciadas naturezas, distúrbios do comportamento, distúrbios da atenção e concentração, distúrbios da memória, distúrbios da cognição, distúrbios emocionais, distúrbios da personalidade, distúrbios da actividade, distúrbios da comunicação, distúrbios da audição e da visão, distúrbios da aprendizagem ou distúrbios alimentares.
Como é evidente existem ainda os que só fazem (dis)parates e aqueles cujo ambiente de vida é completamente (dis)funcional.
Pois é, há sempre um "dis" à espera de qualquer miúdo e senão, inventa-se, "ele tem que ter qualquer coisa".
Agora um pouco mais a sério, sabemos todos que existem um conjunto de problemas que podem afectar crianças e adolescentes mas, felizmente, não tantos como por vezes parece. Inquieta-me muito a ligeireza com que frequentemente são produzidos "diagnósticos" e rótulos que se colam aos miúdos e dos quais eles dificilmente se libertarão.
Esta matéria, avaliar e explicar o que passa com os miúdos e adolescentes, exige um elevadíssimo padrão ético e deontológico além da óbvia competência técnica e científica. Não se pode aligeirar, é "dis"masiado grave.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

OS BONS QUE SÃO BONS E OS BONS QUE NÃO SÃO BONS

Ao que parece 83% dos professores foram avaliados com Bom o que na opinião da Ministra justifica a possibilidade dos que obtiveram Muito Bom e Excelente progredirem mais rapidamente na carreira sustentando assim a contingentação em alguns escalões, a proposta do ME, como se sabe.
Este argumento é estranho e desajustado. O resultado destas avaliações foi obtido através de um Modelo, o famoso "Modelo" que começou por ser nada e acabou sendo coisa nenhuma pelo que até o ME o abandonou. Sabe-se, por exemplo, que sem aula assistidas os professores não poderiam ter Muito Bom ou Excelente. Os resultados de um processo de avaliação incompetente, seguido de formas diferentes em diferentes escolas e agrupamentos não são credíveis e, por isso, não devem, ser a justificação para definir um modelo de carreira, seja ele qual for.
Dito isto continua em aberto a discussão, os Bons professores podem ou não chegar ao topo da carreira?
Se são Bons professores porque não? Partindo do pressuposto de que a avaliação é séria, competente e transparente, parece difícil achar que não. Ao mesmo tempo e sem diferença para os Muito Bons professores e para os Excelentes? Merece discussão. Por outro lado, se a avaliação for uma espécie de avaliação nem vale a pena discutir o modelo de carreira, a questão está inquinada à partida.

A DEFESA DA FAMÍLIA

Por várias razões e de natureza bem diferenciada as questões da família têm estado na agenda e seguramente continuarão. Duas das questões mais debatidas são a baixa natalidade que já não consegue assegurar a renovação geracional e a estabilidade dos agregados familiares, situação obviamente fundamental na vida das pessoas.
Os sucessivos governos assumem, sem excepção, a retórica da defesa da família. No entanto, como sempre, a questão é a prática.
A situação verificada na TAP, empresa na órbita estatal, é paradigmática. Dez funcionárias foram impedidas de aceder a prémios de desempenho estabelecidos nos contratos de trabalho por que faltaram por maternidade. A decisão contraria acórdãos de Bruxelas pois "excluir os períodos de protecção da mãe dos períodos de trabalho, para efeitos da concessão de uma gratificação que visasse remunerar retroactivamente o trabalho cumprido, constituiria uma discriminação do trabalhador do sexo feminino.", pode ler-se no I.
A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) rotulou a decisão de "discriminação". Solicitado parecer ao Gabinete do Primeiro-ministro a resposta veio no mesmo sentido da decisão da empresa.
Sabe-se que uma das questões mais presentes nas questões da família é a dificuldade de conciliação da carreira profissional com a maternidade o que tem como consequência a diminuição fortíssima da natalidade ou, no mínimo, o retardar de projectos de maternidade.
Mesmo que se evoque o disposto no Acordo de Empresa sobre um tempo mínimo para aceder a prémios de desempenho, a ausência por maternidade nunca poderia ser motivo para a não atribuição. Este tipo de situações é que representam ameaças à família.

JOGAR ÀS ESCONDIDAS

No tempo em que se brincava na rua jogar às escondidas era uma das actividades preferidas. Um ficava no "coito" de olhos tapados, contava até 31, os outros escondiam-se e depois da contagem começava a procura. Cada um dos escondidos tentava chegar ao "coito" sem ser apanhado pelo procurador. O último que fosse descoberto ficava a "amochar".
Hoje de formas bem mais sofisticadas e com outros contornos ainda temos miúdos que continuam a jogar às escondidas. Como muitos substituíram a rua pelas actividades extracurriculares e mais os ATLs e mais as oficinas e mais o banco de trás dos carros dos pais ou as carrinhas dos transportes escolares, os esconderijos mudaram muito.
Alguns, os mais dados às novas tecnologias escondem-se, por exemplo, dentro dos ecrãs que fazem parte da sua vida e esperam que ninguém os encontre.
Um outro grupo esconde-se, submerso na onda de todas as actividades em que se vêem envolvidos ao longo de dias que não têm fim de tão compridos.
Existe também alguma miudagem que se esconde no meio do grupo que, como se sabe, constitui uma excelente forma de camuflagem e protecção.
Um grupo pequeno e nem sempre discreto esconde-se dentro de personagens que lhe asseguram o disfarce, fazem de bons ou de maus, os bons toleram-se e nem sempre são descobertos, os maus são muito conhecidos por fora mas, por vezes, completamente desconhecidos por dentro, estão escondidos.
De vez em quando nós, os mais crescidos, podíamos entrar no jogo e ir à procura dos miúdos, dos escondidos. Era engraçado descobri-los.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O MEDO

A experiência de vida e a ciência mostram que viver com medo nos torna vulneráveis. Um estudo realizado pelo Instituto do Trabalho alemão vem mostrar que os portugueses e os húngaros são os povos da União Europeia que mais receio expressam face a perder o emprego.
Esta situação, que afecta toda a gente, reflecte-se sobretudo nos jovens que apesar de qualificados entram no mercado de trabalho e em condições de precariedade aceitam condições de trabalho baixas e sem qualidade. Essas condições mantêm-se porque se alimentam do medo que as pessoas têm de perder o emprego e da baixa capacidade de negociação que isso implica.
Segundo o mesmo estudo, divulgado no I, este efeito é potenciado quando envolve franjas populacionais já vulneráveis, caso de minorias ou de pessoas com baixo nível de qualificação.
Não é de hoje, provavelmente será de sempre, mas o medo ainda é uma extraordinária forma de exercer poder. Por isso, se torna imprescindível uma formação cívica e dispositivos de regulação social, política e económica que minimizem a criação e manutenção de sociedades de medo.
Curiosamente, o medo não se instala só na casa dos outros, como, por vezes, parece estarmos convencidos.

ELES

O passar dos anos obriga a estar atento ao corpo e à sua revisão anual. A estadia numa sala de espera de um centro de saúde é sempre uma experiência interessante.
Durante o tempo de espera, razoável, deve dizer-se, as conversas, ainda que variando de tema, tinham quase sempre os mesmos protagonistas, eles.
Os "eles", também conhecidos na versão mais popular por "os gajos", são uma entidade indefinida que nós portugueses elegemos como fonte e responsáveis de tudo e por tudo o que de menos bom nos acontece.
Esperamos tanto tempo pelos exames ou por consultas porque eles não dão condições nenhumas, falta tudo.
A vida está difícil porque eles não pensam no povo, eles estão lá é para se encher.
Quando pela janela se viram cair algumas fortes bátegas de chuva alguém comentou, eles dão cabo do clima e depois é o que dá.
Que me lembre, ainda percebi que eles também têm responsabilidade sobre os transportes que não chegam, os assaltos que é um horror e o preço do peixe que está pela hora da morte.
Bom, finalmente chamaram-me para os exames. Antes de sair ainda ouvi que quem devia estar ali à espera eram eles, os gajos, não fazem nada, têm tempo para esperar.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

VIVER DE QUÊ?

Para 2010 os maus indicadores acentuam-se, comparando os dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional e os da Segurança Social, existirão cerca de 170 000 pessoas desempregadas sem acesso a subsídio de desemprego, seja por não terem trabalhado o mínimo de dias exigido, seja por terem excedido o tempo em que o podem receber. Este número representa uma subida de 10% relativamente a 2008. Sabe-se ainda que existem milhares de pessoas que recebem o subsídio social de desemprego destinado a pessoas que esgotaram o prazo sem encontrar trabalho.
Sabe-se também que o desemprego afecta sobretudo gente com menos qualificação e, naturalmente, as famílias com menos recursos nas quais não é raro existir mais do que um elemento sem trabalho.
Neste cenário pode colocar-se uma terrível questão, os 170 000 desempregados sem subsídio de desemprego e, muitos deles, sem apoios familiares, viverão de quê?
As instituições que operam na área dos apoios sociais continuam a referir o aumento brutal dos pedidos de apoio e sublinham a impossibilidade de responder a todas as solicitações.
Estes milhares de pessoas, vivendo debaixo de uma ameaça fortíssima à sua dignidade e sobrevivência encararão os próximos tempos de que forma? Que enormes riscos sociais estão a desenhar-se sem que se vislumbre a capacidade da comunidade para os minimizar?
É neste quadro que se torna imprescindível a definição global de prioridades e entendimentos entre as lideranças políticas, sociais e económicas no sentido de, apesar das diferenças, se encontrar uma base comum que devolva a esperança e possa, de facto, minimizar os problemas das pessoas.

AS ENXURRADAS

Felizmente chove embora lamente alguns estragos que o excesso de chuva possa causar. Até a Barragem do Alqueva lá no meu Alentejo vai cheia como o Rio Mira da conhecida moda. Não teremos falta de água no Verão, o que é bom.
Em alguns locais a terra já matou a sede, já não bebe mais água o que pode dar em enxurradas. Esperemos que tudo corra bem porque as enxurradas quase sempre causam preocupações.
Existe tanta gente que vê a sua vida completamente virada do avesso devido às enxurradas. Não me estou a referir às causadas pela chuva.
Estou a referir-me, por exemplo, aos miúdos cujas condições de vida são uma espécie de enxurrada que os submerge e coloca nos limites da sobrevivência.
Estou a referir-me a muita gente que afectada pelo desemprego vê uma onda devastadora invadir-lhe a vida deixando-a náufraga em águas revoltas.
Estou a referir-me à enxurrada de pobreza e exclusão que afecta fortemente uma parte importante das nossas comunidades.
No fundo, estou a referir-me às enxurradas que as tempestades na vida das pessoas causam e que, frequentemente, deixam marcas indeléveis.
Por vezes, depois das enxurradas surge uma Primavera regeneradora. Esperemos então que assim aconteça.

domingo, 3 de janeiro de 2010

A CRISE E OS PARAÍSOS

Creio que a grande maioria dos portugueses não tem a noção ajustada dos números que se seguem e que constam de um trabalho do DN. Entre Janeiro e Outubro de 2009, ano de impacto máximo da crise económica, os portugueses colocaram em paraísos fiscais, os chamados off-shores, qualquer coisa como 11,2 mil milhões de euros. Esta quantia é 12 vezes superior à verba colocada em igual período do ano passado. Sublinhe-se que estamos a falar do ano de 2009, marcado por milhares de falências e um aumento dramático do desemprego. Para termo de comparação e segundo a peça, este montante poderia anular o défice orçamental.
Não consigo entender como é que esta situação é tolerada apesar de alguns projectos de intenção de montar dispositivos de regulação e controle mais eficazes sobre as transferências de fundos para os paraísos fiscais.
Neste contexto, qualquer discurso sobre recuperação, sobre a necessidade de sacrifícios, sobre a enorme dificuldade de suportar em termos económicos um salário mínimo nacional de 475 €, posição subscrita por exemplo por Vítor Constâncio, o sonolento Governador do Banco de Portugal, não passa de um enorme exercício de hipocrisia.
Por vezes, quero ter algum optimismo e acreditar que é possível mas face a situações desta natureza e à inércia, quando não negligência, e falta de vontade política de a alterar, volto a um pessimismo descrente. Mas tenho pena e fico inquieto, será a este tipo de coisas que o Presidente da República se refere quando fala de situação explosiva?

sábado, 2 de janeiro de 2010

EM DIRECTO

J.M. Nobre-Correia tem hoje uma peça muito interessante no JN sobre jornalismo. Citando, “o jornalismo não pode ser confundido com uma actividade em que um profissional, portador de um micro e cuja imagem é captada por uma câmara, vai para a rua, fala de improviso e estende o micro a uma ou outra pessoa presentes no local”.
De facto, se por um lado já é perfeitamente excessivo o abuso dos directos em televisão, a qualidade desses trabalhos é, na maioria das vezes, deplorável.
Em primeiro lugar, o lado voyeurista e intrusivo, não distante, populista e manipulador de emoções é potenciado. Por outro lado, o improviso é algo de extremamente difícil, pelo que se pode assistir a discursos entre o patético, o imperceptível ou a conversa de café.
Na maioria das vezes os entrevistados não têm nada de substantivo a acrescentar à notícia e é ver o esforço dos “jornalistas” no sentido de “arrancar” qualquer coisa que “lá em casa” faça sentido. Qual o interesse jornalístico do “quer dizer, eu tava aqui e não vi bem, mas minha vizinha disse-me que o senhor primeiro gritou e depois disse que lhe batia, depois já não viu mais nada e ouviu os tiros”? Qual a justificação para que se faça um directo para mostrar, por exemplo, que dois carros bateram, não se verificaram danos corporais, entrevistar uma condutora com ar de “é a vida, que havemos de fazer”, ouvir o senhor “agente da “autoridade” e acabar com “daqui é tudo”? Não foi nada.
Neste universo dos directos desnecessários e do meu ponto de vista as grandes pérolas são as entrevistas a crianças, os mais difíceis entrevistados, em que se recorre aos incontornáveis “e estás a gostar?” ou “gostas de circo?” e os meninos de forma surpreendente dizem que sim, eis a notícia.
Não sendo especialista nestas áreas, não sei se a responsabilidade destes trabalhos decorre de decisões em matéria editorial ou da formação dos jornalistas mas lá que é mau, muito mau, é.